Ciclo de palestras sobre formação de pilotos nos EUA – Hillsboro Aviation

By: Author Raul MarinhoPosted on
236Views2

A Hillsboro Aero Academy começa nesta semana seu tradicional ciclo de palestras sobre formação aeronáutica nos EUA (para pilotos de avião e de helicóptero), com eventos no Rio de Janeiro, em Belo Horizonte, em São Paulo e em Curitiba. Como já disse aqui diversas vezes, vale muito a pena ir nessas palestras, mesmo que não seja sua intenção ir aprender a voar nos EUA imediatamente. Trata-se de uma ótima oportunidade para ampliar seus conhecimentos sobre carreira no exterior e conhecer profissionais envolvidos na atividade de formação de pilotos nos EUA. As inscrições podem ser realizadas aqui.

2 comments

  1. Rael Ribeiro
    11 meses ago

    Olá, leitores. Tenho algumas dúvidas sobre formação no exterior e caso o Raul, ou outra pessoa com informações acerca delas, possa compartilhar experiências, ficarei muito grato.

    Minha situação é um pouco atípica. Estou num processo seletivo para trabalhar num navio de cruzeiro, já tendo sido aprovado e esperando a data de embarque. Receberei em dólares, o que há algumas semanas atrás era excelente; agora está ótimo, porém se tendência “Menos PT=Menor taxa de câmbio USD/BRL” se mantiver, a situação se inverte. Estava, até poucos dias atrás, mais barato formar-se no Brasil, para mim, do que na Bolívia. Essa tendência tornou o altiplano mais atraente (após a leitura dos posts do Pedro Murtha), mas até mesmo os, até então, estratosféricos EUA, começam a tomar contornos mais nítidos.

    Ontem fui à palestra da Hillsboro Aero Academy aqui em BH (e agradeço ao Raul por ter divulgado a informação) e certas coisas acerca da formação nos EUA (já mencionadas pelo Raul em outros posts) me chamaram a atenção, como acumular horas de vôo como INVA, tendo o visto F-1; a possibilidade de financiamento com as taxas bancárias, “não-agiotárias” como as tupiniquins, mais atrativas (tenho um tio na Flórida que é cidadão dos EUA); a qualidade superior da instrução e segurança; a fácil e rápida convalidação das licenças FAA para TCCA canadenses… enfim.

    As tendências até 2018 ou 2019 (quando devo terminar meus contratos e estar com o pé-de-meia cheio o suficiente) são de recuperação da economia e possível valorização cambial ante o dólar.

    Nesse hipotético cenário de valorização do real, minhas dúvidas são 3, à saber:

    1) Quanto à formação nos States, é mais vantajoso formar-se no Oregon ou na Flórida? Durante a palestra foram mostradas as vantagens da costa noroeste, porém gostaria de ouvir uma contra-opinião. Leve-se em conta fatores gerais como preço da hora de voo, dinamismo da aviação, salários de INVA, custo de vida, meteorologia .

    2) Acerca dos posts do Pedro Murtha: A economia boliviana também cresce de forma contínua. Claro, em questão de infraestrutura, os dois países em questão são antípodas, mas os custos seriam muito reduzidos formando-se lá, quase a metade em USD, o que poderia complementar com uma graduação, por ex. . Um aviador brasileiro pode trabalhar como INVA lá? E qual seria a média de horas de voo anuais e média salarial (também em USD)?

    3) Nesse trade-off entre as vantagens e desvantagens entre a formação americana e boliviana, e ainda nesse hipotético cenário financeiro, qual escolher, visando uma maior empregabilidade e, posteriormente, voar na Ásia? Lembrando que os custos americanos são muito maiores, mas poderia recorrer à um financiamento efetuado pelo meu tio para complementar o que me faltaria, e uma licença FAA é bastante atraente por si mesma.

    Desculpe se fui “do prolixo ao pro-lixo”, mas creio que essas respostas possam ajudar outras pessoas em situação similar. Muitíssimo obrigado!

    —————————-

    Abaixo links com os preços da Hillsboro e da Fenix, esta tendo incluída nos valores a hospedagem e alimentação.

    Hillsboro – http://www.flyhaa.com/airplane/costs/details/

    Fenix – http://www.fenixaeronautica.com/#!academia-de-aviacin/ce5a

    • Raul Marinho
      11 meses ago

      Minha opinião: vá para os EUA, independente do Estado.

Deixe uma resposta