Jornal de Sorocaba publica editorial que vai direto ao ponto sobre a “aviação experimental”

By: Author Raul MarinhoPosted on
170Views3

Praticamente toda a chamada “grande imprensa” publicou alguma coisa sobre a “aviação experimental” depois do acidente com o avião do Roger Agnelli: Folha, Veja, Estadão… Até o Fantástico produziu uma reportagem sobre o assunto. Mas foi o jornal Cruzeiro do Sul, de Sorocaba, quem chegou mais perto do cerne da questão até agora na imprensa. Leiam seu editorial de ontem (13/04/16), “Voos de ultraleves“, que termina assim:

Esclarecer as causas dos acidentes [com aeronaves da “aviação experimental”] é condição urgente e necessária para evitar novas tragédias, e que os resultados tragam subsídios para o aprimoramento da segurança de voo.

É exatamente este o ponto! Sem que o CENIPA investigue não só os acidentes, individualmente, mas a própria “aviação experimental” como um todo (a exemplo do NTSB), o que teremos são só opiniões de associações, de indivíduos, de autoridades reguladoras… Que podem ser as mais bem intencionadas, mais comprometidas com o futuro do segmento ou com seus usuários, mas que não passarão de opiniões sem dados consistentes, sem estudos técnicos, e sem análises do órgão responsável pela prevenção de acidentes no Brasil. Só assim poderemos chegar a recomendações efetivas, como esta.

Parabéns, Cruzeiro do Sul, você acertou na mosca!

3 comments

  1. vasconcelos
    9 meses ago

    Sou Piloto Comercial e instrutor de voo profissional, na minha opinião e por experiência de conviver com todos os tipos de pilotos digo que, para voar uma aeronave experimental só precisa de um certificado chamado de piloto desportivo, (que não é considerada Habilitação real perante as legislação aeronáutica).
    O processo é bem mais simples que adquirir uma habilitação de piloto privado PP que é a menor carteira para se pilotar um avião e que envolve um treinamento mais complexo onde todas as matérias básicas teóricas e práticas, incluindo principalmente ensinamentos de segurança de voo e a importância de se preservar a vida. Acontece que a maioria dos pilotos desportivos usam a aviação experimental como uma diversão assim como é ir num parque de diversão. Sei que esse assunto é bastante polêmico, pois existem mais de 3 mil pilotos desportivos que podem questionar. A aviação em sim não é brincadeira, e os números e estatísticas mostram a verdade.

  2. Dan White
    9 meses ago

    Vamos por transponders, caixas pretas e paraquedas balístico em todos os experimentais.
    Além de obrigar certificação/homologação e IAM…
    Ninguém mais se acidenta, ninguém mais voa.
    Pronto, resolvido!

  3. Augusto
    9 meses ago

    Há mais de um ano venho alertando para a absurda situação marginal da aviação leve no Brasil, quando enquadrada ilegalmente como “experimental”, de construção amadora etc.. Pena que só após tantas mortes o assunto tenha finalmente mobilizado a imprensa.

Deixe uma resposta