“Bravo, ANAC! Bravo!”

By: Author Raul MarinhoPosted on
609Views3

Já pensou o dia em que este blog publicar um post com este título? Pois é, nos EUA o General Aviation News publicou um artigo ontem exatamente assim: Bravo FAA, Bravo. Sabem a causa desse entusiasmo todo? A autoridade aeronáutica americana permitiu que operadores da aviação geral certificada de pequeno porte (os Cesnna’s 152/172, Pipers Cherokee/Archer, etc.), fabricados com instrumentação de painel analógica, pudessem instalar um EFIS Dynon D-10A no lugar do indicador de atitude original. “Só isso???” Bem, tem um detalhe importante: o equipamento Dynon não é certificado, o que rompe um paradigma complexo na lógica regulatória aeronáutica. Daí os parabéns efusivos da G.A.News.

O que a FAA entendeu foi: 1)que a operação destas aeronaves com o EFIS não-certificado seria muito mais segura do que configuradas originalmente, só com os “relojinhos” certificados; e 2)que o piloto iria acabar usando um outro equipamento digital não-certificado na sua operação (um iPad, por exemplo), instalado de maneira improvisada e menos segura do que o citado EFIS Dynon. Simples, não? Bem… Agora que o ovo está em pé, parece simples.

É exatamente esse tipo de resultado que o BGAST pretende atingir no Brasil. E, se querem saber, acho que vamos chegar lá.

 

 

3 comments

  1. Humberto Branco
    2 anos ago

    Eu entendo o ponto corretamente exposto pelo Augusto. No entanto, estamos falando da liberação facilitada de instalação de um equipamento que, para um piloto ou proprietário consciente, será agregado aos demais instrumentos que a aeronave dispõe, aumentando a consciência situacional e a acurácia das informações. O FAA entendeu, com trabalhos realizados com a AOPA e a EAA, que quanto mais instrumentos os pilotos das aeronaves leves tiverem para monitorar velocidade, altitude, relevo e ângulo de ataque, menor a probabilidade de acidentes envolvendo perda de controle de voo, o maior gerador de acidentes fatais nos Estados Unidos. Nesse caso, o D-10 pode ajudar e no que depender da APPA, a ANAC será encorajada a seguir o mesmo caminho do FAA. Sem dúvida, milhares de aeronaves matriculadas no Brasil se beneficiarão dessa e outras melhorias.

    O ponto central dessa discussão não é este equipamento em si, mas a atitude da ANAC de se tornar cada vez mais permeável as contribuições que a sociedade faz, em particular as associações interessadas em elevar a segurança de voo na aviação geral brasileira, como é o caso da APPA.

  2. Conheço bem a tela Skyview da Dynon, depois de operar 3 aeronaves experimentais equipadas com elas, e de ler as 182 páginas de seu manual de instalação, as 116 páginas de seu manual do usuário, e as 20 páginas de seu manual de ajuste em voo do Auto-pilot que esse produto apresenta.
    Apesar de ser obrigatória no Brasil a publicação de manuais em português, todos essas 318 páginas são fornecidas aqui em inglês. No problem.
    São telas muito completas e intuitivas, parecidas com as G1000 da Garmin, mas obviamente não têm a mesma confiabilidade, já que custam um décimo do preço das telas certificadas.
    O Autopilot, por exemplo, de repente se desvia em voo mesmo acoplado no GPS, ao que parece influenciado por torres de transmissão de telefonia celular
    Mas isso só constitui problema pelo fato dos consumidores não serem devidamente avisados disso no Brasil, já que geralmente elas são instaladas em aeronaves enquadradas ilegalmente pela ANAC como “experimentais”, e por isso essa agência permite a também ilegal transferência de responsabilidades ao consumidor, com a etiqueta “Voo por conta e risco próprio” que afixa no painel dessas aeronaves.
    Dá para usar, mas não para confiar em tudo que mostra ou faz, o que aliás ocorre também com qualquer equipamento eletrônico mesmo certificado.

  3. Juliano Rangel
    2 anos ago

    Muito bom e o entendimento da FAA é valido pois o que tem de gente usando tablets ou smarth phones como navegador, gps, dme entre tantas outras coisas e olha que isso não gera riscos a operação e sim mais segurança, precisão nas informações etc… ainda vamos chegar lá

Deixe uma resposta