“Caçada ao emprego no exterior” – Meu artigo na ‘Avião Revue’ de junho/2016 (ed.201)

By: Author Raul MarinhoPosted on
385Views10

avião revue 201

Na edição deste mês (junho/2016) da revista Avião Revue (vide reprodução acima) há um artigo de minha lavra sobre a carreira internacional de pilotos: “Caçada ao emprego no exterior“. Trata-se de uma ampla matéria (6 páginas) com o panorama atual da contratação de pilotos brasileiros por companhias estrangeiras, as modalidades de contrato de trabalho (“commuting” e residente) com respectivas remunerações, as principais dificuldades e desafios, e como chegar lá.

Na verdade, este artigo é uma resposta à questão que ficou no ar no meu outro artigo da Avião Revue, publicado na edição anterior, em que apresentava a minha metodologia IEP e a atual perspectiva de empregabilidade para pilotos no mercado brasileiro. Se o mercado de trabalho brasileiro de pilotos está tão adverso, qual a saída? Bem… Uma possível resposta está na matéria deste mês.

A revista pode ser adquirida na versão digital – para iOS, Android e PocketMag (para ler no computador) – por US$2,99 (cerca de R$12,00) ou na versão impressa, nas bancas, por R$15,90.

10 comments

  1. Rafael Silveira
    5 meses ago

    Olá Cmt Raul, gostaria de ler esta tua matéria “Caçada ao emprego no exterior“. porem o Site da Aviao Revue parece estar fora do ar. Há alguma outra maneira de conseguir acessar sua publicação? Obrigado!!

    • Raul Marinho
      5 meses ago

      A matéria estará em breve na íntegra no blog.

  2. Batistaca
    7 meses ago

    Po Raul compartilha com a gente essas possiveis mudanças para aviação geral, em relação ao mercado internacional…. rsrs

    • Raul Marinho
      7 meses ago

      Qdo as tiver, compartilhá-las-ei imediatamente!

      • A.M.Filho
        7 meses ago

        Olha a mesóclise…hahaha

        • Raul Marinho
          7 meses ago

          Usá-la-emos sempre que oportunidades as houver!
          ;-)

  3. A.M.Filho
    7 meses ago

    Vou correr atrás para ler pois o assunto é bastante pertinente. Existem dois mundos completamente opostos. Os que tem a tão sonhada habilitação tipo (Principalmente 737 ou A320) e horas no equipamento e os que podem até ter horas de voo classe ou tipo, mas sem ser o preferido pelas cias estrangeiras. Para os últimos (grande maioria) o mercado continua bastante restrito.

    • Raul Marinho
      7 meses ago

      Olha… Se depender de mim, em breve teremos novidades para o pessoal da av.geral. Aguarde!

      • A.M.Filho
        7 meses ago

        Aguardando ansiosamente.

Deixe uma resposta