A MP que autoriza aumento do capital estrangeiro em companhias de aviação e a declaração do presidente da Ryanair

A MP que autoriza aumento do capital estrangeiro em companhias de aviação e a declaração do presidente da Ryanair

By: Author Raul MarinhoPosted on
401Views14

Conforme anunciado aqui, a Câmara aprovou ontem a Medida Provisória N°714/2016 que permitirá o aumento do capital estrangeiro em companhias de aviação. Se o texto da MP, que agora está no Senado, realmente entrar em vigor, isso ampliará a possibilidade de capitalização das companhias de aviação constituídas no Brasil, evitando a catástrofe que o mercado tanto teme – a falência ou a drástica redução da operação das empresas do setor. Foi bom? Eu acho que foi, sim. Especialmente porque não limitou a participação do capital estrangeiro acima dos 49% só para os casos em que houvesse “reciprocidade” (o que, na prática, seria interessante somente para a Latam). E, especialmente, porque se conseguiu manter as ressalvas trabalhistas para os tripulantes brasileiros. Mas vai “resolver” o problema do setor aéreo? Bem…

Uma coisa é um empresário estrangeiro PODER investir no Brasil; outra, bem diferente, é ele QUERER fazer isso. Alguns anos atrás, a família Cueto tomou esta decisão, e comprou uma forte participação na TAM, que se fundiu à sua empresa chilena LAN formando a atual Latam; assim como o fundador da JetBlue, David Neeleman, veio ao Brasil e fundou a Azul Linhas Aéreas. Pergunto: será que eles (Cuetos e Neeleman) fariam isso de novo hoje, mesmo sem restrição ao capital estrangeiro? Hmmm… Difícil afirmar que sim, né? Mas, ok, pode ser que uma grande companhia americana, europeia ou chinesa enxergue oportunidades no Brasil – que, afinal de contas, ainda é um país estratégico na América Latina, etc e tal. Pode ser: veremos.

Por outro lado, também ontem o presidente da companhia aérea irlandesa Ryanair disse o seguinte em uma entrevista concedida em Buenos Aires e reproduzida por toda a imprensa – inclusive pelo Estadão, de onde reproduzo o seguinte trecho:

A companhia aérea de baixo custo Ryanair começará a voar na Argentina em 2017 e, segundo seu dono, trabalha para levar o serviço à toda a vizinhança, exceto ao Brasil, “porque há muita corrupção”. A declaração foi dada por Declan Ryan ao jornal argentino La Nación. “Iniciamos negociações em todos os países da região, menos no Brasil, já que há muita corrupção”, afirmou o filho de Tony Ryan, que fundou a empresa em 1985, com uma avioneta que ligava Londres a Dublin.

Pois é. Os membros da família Ryan e a própria Ryanair têm por hábito “causar” em suas declarações para a imprensa não é de hoje, e sobre qualquer assunto: trata-se de uma estratégia de relações públicas lá deles. A corrupção no Brasil também não é nenhum mistério, assim como é fato amplamente conhecido no mundo todo que isto é um fator que afugenta o capital estrangeiro. Agora, daí a dizer que o Brasil é especialmente corrupto na América Latina, e que por isto a empresa não irá investir no país me soa um tanto espalhafatoso. Será que é um exemplo do ditado popular “quem desdenha quer comprar”?

Tudo considerado, eu acho que a MP 714, caso aprovada no Senado, deverá ser benéfica para o setor aeronáutico e, por extensão, para a empregabilidade de pilotos. Mas ainda estou cético se, por si só, essa modificação na lei será suficiente, uma vez que outros problemas, como a corrupção, ainda são um entrave à vinda de capital estrangeiro para o Brasil. Sejamos otimistas, mas com cautela!

14 comments

  1. anônimo
    7 meses ago

    bem… desculpe minha ignorância sobre o assunto…

    Mas qual a vantagem do “capital estrangeiro” entrar em um mercado, pelo menos no Brasil, onde não temos um quadro lá muito animador?

    • Carlos Pera
      7 meses ago

      Se isso vier acontecer- o que tenho lá minhas duvidas…Vamos imaginar o seguinte: – hoje no Brasil quem tiver um COA (antigo CHETA) – Certificado de Homologação de Empresas de Transporte Aéreo ou Certificado de Operador Aéreo – esta praticamente (em tese) sentado em uma mina de ouro. Os gringos estarão se lixando para qualquer coisa que não seja lucro bem rápido e que se lasquem os empregados.
      Quem viver verá…. Logo logo a GOL será vendida para o consorciio da Delta/Air France, a consagração do concubinato Latam nas mãos Chilenas, a Azul deve ser vendida de porteira fechada para os Chineses da HAINAN!
      Amigo; aviação – pra quem pretende fazer carreira aqui no Brasil já era ….aperte os cintos pois o piloto pode sumir… A turbulência vai ser de arrepiar!

  2. Carlos Pera
    7 meses ago

    Fabinho tudo em riba meu amigo? Sei que você é um homem antenado e já deve ter visto isto na mídia:
    http://atwonline.com/regulation/india-relaxes-fdi-restrictions-keeps-49-limit-foreign-airlines#comment-44871

    Bem; você sabe que voei por la 4 anos, apesar de ter sido baseado em New York….amigo, nosso mercado de negócios é far behind o mercado Indiano (sob todos os aspectos)! …Uma vez (quando ainda voava por la) tive que ouvir de uma “besta quadrada” (aviador aposentado) que trabalhava no ANAC no setor de habilitação, me dizer que a aviação na Índia era muito pior que no Brasil e que eles (ANAC) estariam fazendo um favor de habilitar os simuladores de empresas Indianas para considerar nossos recheques ..(sic) O povinho…..infelizmente é isso que nos deparamos por aqui…minha mulher é que costuma dizer quando ouve ou vê barbáries “Nos nascemos no pais errado”
    Fabio, te pergunto vc acredita que essa tal MP 714/2016 que autoriza aumento do capital estrangeiro em companhias brasileiras vai vingar? …: Será que algum aventureiro se habilita a investir nas aéreas do PaTropi?

    Minha opinião: em um pais onde as Prostitutas gozam…cafetão se apaixona..traficante se vicia…e tantos outros adjetivos pejorativos reservados para as “autoridades governamentais” e que infelizmente não posso declinar aqui nesse blog! Meu caro…diga ao povo que não acredito…Agora na Índia; não tem erro…os corruptos são mais lights e os desodorantes são mais eficazes!

    • To chutando!
      7 meses ago

      Curioso. Em teu comentario anterior, davas como certa a compra da gol pela KLM/AF (pq nao pela Delta), ou a da Azul pela Hainan. Agora, já esta se perguntando se alguem virá investir… com todo o respeito, nao acho q saibas do q esta falando. Pra mim és só um “pessimildo”. E nao venha dizer q e comandante e tens 50 anos de carreira q de comandantes q “entendem de aviacao” a varig teve varios presidentes.

      E daí q “o gringo só quer lucro”? Que crime ha nisso? Conhece algum empresario brasil que nao vise lucro? E crime um trabalhador visar o salario no fim do mes?

      O PL diz q empregos serao preservados. Por que acreditar no senhor, e nao no PL?

      • Carlos Pera
        7 meses ago

        “To Chutando” aqui é o Cmte Pessimildo falando!!!….Meu caro; isso são suposições e exercícios que deixamos como opinião aqui no blog do conceituado Raul Marinho

        Nada a “ferro e fogo”….agora, pelo visto você esta no meu encalço hein; pois ao afirmar : ……”E não venha dizer q é comandante e tens 50 anos de carreira q de comandantes q “entendem de aviacao” a varig teve varios presidentes” blá, blá, blá, blá….Bingo! Você acertou….Realmente eu tenho 50 anos de carreira, Ok meu guri e desses meus 50 anos fiquei 17 anos (felizes) fora do PaTropi!
        Não posso afirmar; mais eu acho que você esta visualizando meu perfil no LinkedIn! De qualquer forma; a família penhorada agradece!!

        E preste mais atenção e não “chute tanto”; eu escrevi “DELTA/AIR FRANCE e não KLM”…e tem mais; eu acredito naquilo que estou falando, apesar de não ter uma bola de cristal…e, se investidor estrangeiro vier aqui pelas plagas “Tupiniquins” (o que não creio) será para delapidar! ..então , com todo o respeito ‘Chutando” eu não pedi pra ninguém acreditar em mim…e eu não acredito na PL, como não acredito nos políticos que governam esse pais!

        Sabe de nada inocente!!! Me engana que eu gosto!!!

  3. Enderson Rafael
    7 meses ago

    Acho que algo precisa ser feito, e preferia algo mais restrito um pouco, por mais que as ressalvas sejam uma grande VIX. Mas o ponto é: as ressalvas não evitam o que aconteceu na LATAM: mtas rotas inter passaram pra parte chilena do grupo. Isso afeta os empregos brasileiros de qq maneira.

  4. Raul, nem vou dizer nada sobre o fim no limite do capital votante (sim, pois o capital sem direito a voto jamais foi limitado pela Lei 7565/86), que – na minha modesta opinião – só consagra o que já era de fato, entre a maioria das grandes. Já com referência a essa low cost / low fare / low salary / no benefits / low respect etc etc etc, tenho a relatar o que segue: Meu cunhado – que é irlandês e foi colega de aula do O’Leary – uma vez soube que eu estava considerando ir voar nessa “firma”, para juntar umas horas no NG, já que eu só tinha o type rating, mas não carecia da experiência naquela variante do avião. O conselho dele: “If you have no option, then Ryanair might be your (temporary) option, but – bearing in mind your temper – I doubt you’d make it through the 1st 3 weeks among them. Those chaps are animals.” Sem mais…

  5. Sergio Santos
    7 meses ago

    O senhor já pensou na possibilidade de todas as empresas aéreas brasileiras estarem com 100% do capital na mão de estrangeiros?
    Não existe um aspecto estratégico na aviação comercial.

  6. Carlos Pera
    7 meses ago

    Prezado Raul

    Com relação ao seu questionamento!
    Pergunto: será que eles (Cuetos e Neeleman) fariam isso de novo hoje, mesmo sem restrição ao capital estrangeiro? Hmmm… Difícil afirmar que sim, né?

    Eu aposto que não! Pago pra ver e gostaria até de perder a aposta!
    A algum tempo atrás (2007) o excêntrico milionário Sir Richard Branson (Virgin Group) mencionou em investir no Brasil…. em mateira publicada na Isto é – http://www.istoedinheiro.com.br/noticias/negocios/20110401/excentrico-bilionario-branson-desembarca-brasil/52188

    Resumo da Opera: ficou só na promessa os voos que iniciaria para o Brasil em 2012 com a “Virgin Atlantic”…e vir a investir com a “Virgin Mobile”….o que nunca aconteceu!
    Creio que para o Sir Richard Branson, é mais seguro investir em Jato Supersônico Comercial (Boom)….apesar de que por enquanto, a lua é o limite com a VIRGIN GALACTIC…..e nós ficamos na esperança de vir a ter uma “VIRGIN BRASIL”, quem sabe no dia em que a “galinha criar dentes”.
    Eles são “Virgin” só nome (me engana que eu gosto)

    Carlos Pera

  7. Marcos Véio d' Guerra
    7 meses ago

    Para o senhor Ryan pensar:

    Brasil, sim é um país de corruptos. Mas os argentinos não ficam muito atras.

    Um dado para o Mr. Ryan colocar no papel: Apenas 18% de estradas pavimentadas neste país corrupto e extenso em terras.

    Fim de papo.

  8. Sergio M Costa
    7 meses ago

    Difícil ser otimista num cenário destes. Com base no que vemos todos os dias, parece-me que o Brasil é sim especialmente corrupto na América Latina.
    Existe algum país na região onde as cifras da corrupção estão na casa dos trilhões ?

  9. Mario
    7 meses ago

    Não sei. O Brasil é continental mas não existe infraestrutura. A dificuldade pra operar nas regiões q realmente precisam ser exploradas que dificulta o negócio. Operar no filé é fácil e as Brasileiras já fazem isso. Qro ver ter rentabilidade pra fazer o pinga pinga. Acho que foi bom mas essa medida não vai trazer benefício no curto/médio prazo.

  10. Juliano Rangel
    7 meses ago

    Seria Legal Fazer um post sobre a ressalva trabalhista da Medida provisória

    • Raul Marinho
      7 meses ago

      Isso já foi comentado neste post:

      Em qualquer caso, inclusive no intercâmbio de aeronaves entre companhias do Brasil e do exterior, os tripulantes das aeronaves que operarem no país (sejam elas de matrícula brasileira ou estrangeira, e de empresas com qualquer percentual de participação de capital nacional) deverão ser brasileiros natos ou naturalizados (exceção feita ao que já está previsto no CBAer: até 1/3 dos comissários de voos internacionais podem ser estrangeiros).

Deixe uma resposta