Indicadores de segurança da aviação experimental dos EUA melhoram novamente – já no Brasil…

Indicadores de segurança da aviação experimental dos EUA melhoram novamente – já no Brasil…

By: Author Raul MarinhoPosted on
59Views1

Boas notícias para a aviação experimental/’amateur built‘ norte-americana! De acordo com este artigo recém publicado pela Flying Magazine, a segurança operacional neste segmento da aviação leve dos EUA continua a cair consistentemente: ocorreram 17% menos acidentes no período de 12 meses encerrado em setembro de 2016, comparado ao período anterior. A EAA-Experimental Aircraft Association puxa a brasa para a sardinha dela e diz que isso é o resultado de ações de prevenção, mas reconhece também que a adoção de medidas da FAA relativas à instalação de equipamentos suplementares, assim como em modificações na regulamentação de testes de voo para as aeronaves de construção amadora e nos requisitos de treinamento de pilotos também foram responsáveis pela melhoria. Que bom para eles!

Enquanto isso, no Brasil…

Não há disponibilidade de números oficiais sobre acidentes com aeronaves experimentais nos portais do CENIPA e da ANAC – muito embora haja tal estatística, conforme mostra este post*. No Panorama Estatístico da Aviação Brasileira – CENIPA/2016, a única menção à aviação experimental é esta nota no final da pág.11: “(…)este documento contempla acidentes e incidentes graves que foram notificados ao CENIPA, ocorridos em território brasileiro, entre 2006 e 2015, exceto com aeronaves do segmento experimental“. Já o RASO-Relatório Anual de Segurança Operacional – ANAC/2015 (publicado em 2016) traz, em suas considerações finais da pág.49, o seguinte texto: “(…)neste trabalho não foram consideradas aquelas [ocorrências aeronáuticas] envolvendo aeronaves estrangeiras, experimentais ou com reserva de marcas(…)”. Então tá, né?

O fato é que, de acordo com os números apresentados no post acima citado, teriam ocorrido em nosso país 41 acidentes com aeronaves experimentais privadas em 2015. Nos EUA, de acordo com o artigo da Flying, teriam sido 33 no últimos 12 meses – sendo que a aviação experimental/’homebuilt’ norte-americana é pelo menos seis vezes maior que a brasileira (comparando dados do General Aviation Statistical Databook com informações do RAB/ANAC para aviões experimentais com um motor a pistão). Portanto, se os números mostrados pelo Centro de Comunicação Social da Aeronáutica estiverem corretos, temos um grave problema de segurança operacional na aviação experimental brasileira. Que é sequer mencionado pelas autoridades brasileiras.

*Obs.: A fonte utilizada no post de 22/03/2016 é um e-mail enviado pela assessoria de imprensa do Centro de Comunicação Social da Aeronáutica a diversos órgãos de imprensa logo após o acidentes com o avião em que estava o empresário Roger Agnelli. A revista Veja, por exemplo, utilizou parte das informações desta mesma fonte nesta reportagem de 27/03, e a Folha de São Paulo publicou esta matéria de 29/03 com mesmos gráficos que este blog, citando a origem como sendo o CENIPA.

One comment

  1. Beto Arcaro
    2 meses ago

    Hahaha….
    Isso vai pra quem ouve cantar o galo, não sabe onde, e faz comentários anti éticos em E-mails dirigidos!

Deixe uma resposta