Ocorrências aeronáuticas do tipo “pane seca” no Brasil

Ocorrências aeronáuticas do tipo “pane seca” no Brasil

By: Author Raul MarinhoPosted on
162Views0

No Portal CENIPA45 ocorrências do tipo “pane seca” com Relatórios Finais ou Sumas de Investigação publicados, englobando o período entre 30/11/2002 e 24/08/2015 – obviamente, há casos anteriores que não constam no sistema; e posteriores, que ainda não tiveram a investigação concluída. Não há nenhuma ocorrência relacionada às operações de linha aérea ou de táxi aéreo (porque realmente não existiram); nem de aeronaves experimentais, porque não foram investigadas (mas é quase certo que aconteceram). Todos os casos são de aeronaves certificadas particulares (TPP), de instrução (PRI), e de Serviços Aéreos Privados (SAE), tanto agrícolas (a maioria) quanto de aerofotogrametria dentre outros. Não há nenhum caso envolvendo avião a reação ou helicóptero multimotor, sendo bastante raras as ocorrências com aeronaves turboélice/turboeixo.

Em linhas gerais, o que se encontra são ocorrências não-fatais, a grande maioria com tripulantes e passageiros ilesos ou levemente feridos (raramente há feridos graves) – entretanto, em 6 acidentes houve 14 mortes: uma média pouco superior a um morto por ano. A maior parte das ocorrências envolve aeronaves velhas e malcuidadas; operando em “garimpos”, áreas rurais e de selva; com pilotos com baixa proficiência em planejamento de voo – muito embora haja vários exemplos de comandantes com muitos milhares de horas de voo dentre os acidentes (um deles tem 25.000h; e outro 18.500h, com 11.000h no tipo acidentado).

Todo Relatório Final ou Suma de Investigação traz ensinamentos, mas os três mais interessantes para estudo são os seguintes:

  • RF do PT-OFD – Embora ninguém tenha morrido ou se ferido gravemente, este acidente tem várias semelhanças com o da LaMia. Havia várias irregularidades na operação (que era TACA – táxi aéreo clandestino), começando pelo peso acima do máximo certificado para decolagem. Mas o mais importante foi o fato de que, de acordo com o manual, a autonomia da aeronave estava entre 1.325NM e 1.460NM; e a distância a ser percorrida era de 1.324,7NM. Comandante e copiloto discutiram sobre a necessidade de reabastecer num ponto intermediário, mas concordaram em prosseguir. O resultado: um pouso na água a cerca de 1km. da cabeceira da pista.
  • RF do PT-OOH – Este é o acidente que também se assemelha ao da LaMia no aspecto decisório: o comandante deliberadamente optou por voar no limite do combustível para a missão – para não ser “roubado” pela oficina (era um voo de traslado para manutenção). Infelizmente, duas pessoas (o piloto e um passageiro) morreram por conta deste capricho.
  • RF do PT-LUQ – O acidente com maior número de vítimas por pane seca no acervo do CENIPA: 5 mortos. A deterioração das condições meteorológicas forçaram uma série de desvios e mudanças de destino. Ao final, o avião se chocou contra uma escola a menos de 1NM da pista.

Deixe uma resposta