“Azul planeja elevar 13% da capacidade operacional em 2017”. Boa notícia? Sim, mas em termos…

“Azul planeja elevar 13% da capacidade operacional em 2017”. Boa notícia? Sim, mas em termos…

By: Author Raul MarinhoPosted on
264Views3

Deu a seguinte manchete no Portal Exame de ontem: “Azul planeja elevar 13% da capacidade operacional em 2017 – A estimativa, segundo a empresa, tem como base a introdução de 10 aeronaves Airbus 320neo na frota“. Boa notícia, não!? Bem… Para os acionistas da companhia, talvez. Para os aeronautas, não necessariamente. Vejam o que diz este trecho da matéria:

(…) O documento também traz projeções relativas à evolução da frota da companhia até 2020. Segundo o prospecto, a Azul encerrou o ano de 2016 com 123 aviões, sendo 74 E-Jets da Embraer, 35 ATRs, 5 Airbus A320neo e 5 Airbus A330. Em 2017, a empresa estima que contará com uma frota de 121 aeronaves, sendo 60 E-Jets, 35 ATRs, 10 A320neo e 7 A330.

Bem… Tudo somado e subtraído, multiplicado e dividido, a companhia deverá encerrar 2017 com MENOS aeronaves que 2016. E por mais que os aviões maiores possam requerer de uma relação ‘pilotos:aeronave’ um pouco superior, no fim das contas a necessidade de pilotos deverá ficar estável ou mesmo diminuir um pouco. “Ah, mas a empresa está abrindo processos seletivos neste ano!”. Pois é, ao que parece está mesmo! Mas se a frota não cresce, as possibilidades são limitadas: ou os pilotos voarão menos horas por mês, ou tem gente saindo ou por sair da empresa. Em ambos os casos, não é boa coisa para os tripulantes – para 2017, ao menos. De 2018 em diante, o prognóstico é mais favorável, segundo a mesma reportagem. O problema é que, como diria aquele famoso economista

3 comments

  1. Marcos Véio
    10 meses ago

    Os A320neo deverão substituir uma boa parte da frota de Ejets. Um tanto quanto óbvio esse movimento.

  2. vai vendo...
    10 meses ago

    Quanto ao número de tripulantes, tá tranquilo. A galera vai aderir ao programa oferecido, chamado “reserva voluntária” e voar na folga.

  3. João
    10 meses ago

    Acho que essas contas ai das aeronaves estão um pouco erradas, 2016: 74 + 35 + 5 + 5 = 119; e 2017: 60 + 35 + 10 + 7 = 112; Sendo assim, a coisa é pior ainda, uma diferença de 7 aviões, entre um ano e outro, ao contrário de apenas 2 como apresentado 2016: 123 e 2017: 121.

Deixe uma resposta